Como fazer da criatividade o seu padrão (ou criando uma mentalidade criativa)

Tem uma coisa que eu acho muito engraçada quando leio coisas sobre criatividade. Existem dois mitos que se espalharam por aí sobre mentes criativas, provavelmente por causa de gênios incomparáveis.

A primeira é que existem pessoas criativas e pessoas não criativas, como se a gente nascesse com criatividade ou não e as pessoas criativas são aquelas que se envolvem com o meio artístico e cultural e as não criativas são as pessoas lógicas, que fazem todo o resto.

A segunda é que a criatividade é quase como um ataque epiléptico – ela vem, a pessoa cria e depois ela vai embora, simples assim. Instável, complicada, incontrolável e passageira e abençoados são os que conseguem ter esse encontro.

Mas nenhum dos dois são verdadeiros, primeiro porque todo mundo é criativo, só que alguns desenvolvem mais a criatividade e outros deixam ela quietinha e segundo que a criatividade é uma habilidade e, portanto, controlável.

E para fazer da criatividade o seu padrão de comportamento é preciso desenvolver uma mentalidade que tenha como essência um modo de operação criativo e que esteja sempre tentando pensar criativamente. É preciso criar um mindset criativo.

07.13 - 04

O mindset criativo

MIndset nada mais é do que estrutura mental, ou simplesmente uma mentalidade. É como se o seu cérebro fosse um computador e que as predefinições dele fossem criativas, sabe? O modo operacional da sua mente é a criatividade.

E esse mindset, como qualquer outra mentalidade, precisa ser criado, estabelecido como padrão e desenvolvido. Mas como?

Com afirmações a serem repetidas e estabelecidas como crenças poderosas em nossa mente, mudando determinas crenças sobre ser criativo e com a mudança de hábitos e prática de exercícios que desenvolvam a criatividade.

Não se trata de usar ferramentas, truques ou dicas, mas realmente mudar a estrutura do cérebro e dos nossos pensamentos pra que sejamos mais criativos de uma forma que esse seja o nosso comportamento natural e a nossa resposta automática.

07.13 - 02Transformando nossas crenças sobre criatividade

O primeiro passo pra criar esse mindset é trocar as nossas crenças atuais sobre criatividade, que são limitantes, por outras que sejam poderosas, que nos façam acreditar que somos criativos.

Quantas vezes você já disse “Ah mas eu não sou criativo”, “Ah, mas eu não consigo ser criativo como fulano”, “Ah, mas eu não consigo pensar em nada”.

Primeiro, você é criativo sim, mas como deve ter um tempo que você não a utiliza, ela deve tá um pouco enferrujada, como qualquer músculo quando você volta pra academia, sabe?

Então, acredite que você é criativo e comece a se repetir que você é, sim, criativo e que você pode pensar em coisas diferentes e criar coisas que ninguém nunca pensou. Mas você precisa acreditar nisso e começar a viver essa crença.

É preciso confiar na sua criatividade, na sua intuição e nos seus instintos. Quando você começar a acreditar que é criativo, você começa a valorizar as suas ideias e começa a ter confiança o suficiente para dividi-las e transformá-las em algo concreto e passa, também, a confiar em si mesmo.

Parar de se comparar a outros é um passo pra confiar em seus instintos, porque os outros viveram, conheceram, aprenderam coisas que você não fez. E o contrário também é verdadeiro.

Então, não tem como você ser criativo como o “fulano”, porque você não é o fulano, então é preciso ser criativo como você mesmo, descobrindo como é essa sua criatividade, como ela funciona e como você pode usá-lo ao máximo. É preciso criar o seu próprio processo criativo.

Aceitar os erros como fase natural da criatividade é outra crença a ser internalizada. Normalmente somos avessos aos erros, queremos fazer tudo perfeito e não cometer nenhuma falha, porque errar quer dizer que fracassamos.

Mas isso é uma mentira. Errar não é fracassar. E fracassar não é o fim do mundo e da vida. Errar é um passo para o acerto, errar faz parte do processo criativo e só tem como saber que se acertou, quando sabemos o que é o errado.

E mudar a nossa forma de pensar para manter a mente aberta para outras culturas, ideias, atividades e criatividades também é um modo de se tornar mais criativo, porque você passa a se inspirar por coisas que normalmente não seriam suas inspirações normais.

Mudando hábitos para desenvolver a criatividade

Aqui a palavra-chave é hábito. Sim, hábitos. Normalmente não relacionamos criatividade com hábitos, com rotina, não é? Mas a criatividade precisa de rotina, sim, e precisa de hábitos que a rodeiem.

Temos essa crença de que a criatividade é instável, incontrolável e passageira e que é só é possível criar quando ela aparece para o trabalho. Mas não é bem assim. A criatividade está lá, dentro de você, mas você precisa fazer com que ela saia de dentro de você.

E isso não vai acontecer se você ficar esperando por momentos de inspiração e quando estiver no clima pra criar. Na verdade, quanto mais você espera pela inspiração, menos criativo você vai ser. É como dizem – criatividade é 1% inspiração e 99% transpiração.

O negócio é criar um conjunto de hábitos criativos que funcionem pra você, de forma que você comece a encontrar o seu tempo e modo de criação ideais pra você.

Acredite, a criatividade vem do esforço, do trabalho.

Por exemplo, esses dias estava vendo um vídeo documentário sobre a Vaganova Academy os Russian Ballet, uma escola de ballet russa que prepara jovens para trabalharem no prestigiado Ballet Russo e ao final, uma das coreógrafas falou que, com a arte, normalmente o público só vê o resultado final, depois de dias, semanas e meses de trabalho duro.

O público não vê o esforço de todos bailarinos, não vê as horas de exercícios e ensaios, não vê todos os machucados nos pés, as dores nos joelhos, todas as vezes que eles repetiram uma pirueta ou um salto. O que se vê é a dança final, o trabalho completo e a gente nem imagina o esforço empregado naquele trabalho criativo.

Então, acredite que a criatividade vem do trabalho e crie uma rotina de hábitos criativos pra você, para criar todos os dias, pois quanto mais você cria, mais criativo fica.

Consistência e organização são pontos cruciais para a criatividade – consistência, porque é preciso se comprometer com o processo criativo e estar disposto a criar todos os dias, a entrar no fluxo e ter a energia para continuar criando, apesar de todos os obstáculos e dos problemas que podem acontecer no meio do processo.

Organização, porque a rotina precisa ser organizada, separando-se um tempo inegociável de criação. Não adianta você decidir que quer criar e ser mais criativo, se qualquer outra atividade é mais importante que esse tempo que você separou para a sua criatividade.

Transformar uma mentalidade não é tarefa fácil, mas, pra ser mais criativo, esse é processo é crucial. Mesmo que você crie hábitos criativos e comece a criar todos os dias, se não acreditar que é criativo e mudar essas crenças limitantes dentro de você mesmo, a criatividade sempre será algo complicado de se trabalhar.

07.13 - 00Quer ainda mais dicas de como ser mais criativo? Então, leia este artigo.

Gostou desse post sobre como criar uma mentalidade criativa? Então, compartilha comigo o que você achou, aqui mesmo ou no Facebook do VMC!