Caminhos e escolhas – todo mundo tem que ter as mesmas?

O título do post de hoje é meio esquisito né? Claro que as pessoas podem ter caminhos e escolhas diferentes, nem todo mundo precisa escolher o mesmo, não é?

Mas não é bem assim.. As vezes essas escolhas e esses caminhos são tão automáticos, que a gente nem mesmo se pergunta se isso tá certo pra gente.

É verdade, muitas vezes nem percebemos que nosso caminho, nossa vida mesmo, foi escolhida por outras pessoas ou que a gente simplesmente está seguindo outras pessoas, porque não sabemos o que queremos ou não temos coragem de ir atrás do que sonhamos.

Pensa só: você tá lá com seus 16, 17 anos, beirando o vestibular e tem aquela lista imensa de cursos que você pode escolher. Só que você não tem ideia do que você quer fazer, você se sente muito novo pra fazer uma escolha dessas. Mas você não pode fazer nada, tem que escolher um curso. Porque sim, né?!

Aí você olha tudo aquilo, ouve algumas pessoas, e decide que você vai fazer o curso “X”, porque parece que ele remunera bem no mercado de trabalho e você pode fazer outras coisas com o dinheiro.

E você acaba em uma faculdade que não gosta, aprendendo coisas que não se importa, pra trabalhar com algo que você não tinha nem noção de como era e alcançar objetivos que você não queria.

É o que acontece com muita gente.

caminho-no-bosque-wallpaperCaminhos escolhidos por outras pessoas

No lado mais extremo dessa relação, temos aquelas pessoas cujo caminho e destino realmente são escolhidos por seus pais e familiares. São aquelas pessoas que têm o dever de administrar o negócio da família ou que são obrigadas a fazer o curso que os pais fizerem.

É bem extremo, né? Quero acreditar que esse tipo de relação está sumindo com o passar do tempo.

Mas existem ainda pessoas cujo caminho é escolhido por outras pessoas, muita vezes também os pais e a família, mas de uma forma sutil e originado de preocupação mesmo.

De uma forma muito delicada nossos pais começam a nos convencer de que tal profissão e tal curso é a melhor opção, é o melhor caminho, porque você vai ter segurança financeira e não vai se preocupar com isso.

E conseguindo se estabilizar financeiramente e alcançando uma segurança, você pode simplesmente começar a fazer o que quer que você goste de fazer.

Só que a gente não quer fazer o que a gente ama nas horas vagas que podem nunca existir, a gente quer fazer aquilo o tempo todo e quer que seja a nossa atividade principal.

E quando você já não é mais adolescente e você já fez essa escolha difícil e já está trabalhando com o que você não gosta muito, é ainda mais difícil deixar essa escolha pra trás e começar de tudo de novo.

Aqui o papo é ter coragem de ir contra essa preocupação e criar o seu próprio caminho. É ter coragem pra começar de novo e do zero, muitas vezes sem um curso superior na área que lhe dê uma noção de como as coisas funcionam.

caminho_dati-rubiaFazendo o que tudo mundo faz (ou Seguindo a Boiada)

Nossa, aqui é onde eu acho que a maioria das pessoas se encontram (e onde eu tava até pouco tempo atrás). Elas não sabem muito bem o que querem fazer e acabam seguindo o que tá todo mundo fazendo, sem nem mesmo pensar a respeito.

É de novo aquele papo de procurar o que dá mais retorno financeiro ou maior estabilidade e segurança, pra que não tenha que se preocupar nunca mais com dinheiro.

Aqui é onde acho que 80% dos concurseiros se encontram – quem não quer um emprego que de tão estável é quase rígido, com segurança financeira, que sabe até o dia que vai se aposentar, sabe o dia que vai receber, quanto vai receber exatamente todos os meses da sua vida, sabe quando vai tirar férias e a responsabilidade não é lá essas coisas?

Só que aqui, quando você segue a boiada, você não pensa em você, você não pensa no que você quer, no que você ama, no que você quer fazer, no que você sabe fazer.

Todo mundo tem talentos e habilidades específicas, que só funcionam nelas e que estão em você pra que você use de alguma forma e toda profissão, regulamentada ou não, formal ou informal, depende também de habilidades e talentos específicos pra se desenvolver.

Não adianta você seguir a boiada e fazer o que tá todo mundo fazendo se você não tem as habilidades e talentos necessários praquela profissão e se os seus talentos e habilidades são perfeitos pra outra atividade.

Por mais que você se esforce e queira que dê certo, você não vai fazer seu trabalho do jeito que ele tem que ser feito, não vai agradar seus superiores e vai se frustrar por não usar o que você ama e sabe fazer e por estar fazendo coisas que você não gosta e não vêm naturalmente pra você.

É uma realidade difícil de encarar,mas talvez você tenha escolhido a profissão errada pra você.

caminho-do-amorCaminhos escolhidos por você mesmo

Esse é o caminho mais difícil, mais complicado, mais complexo, mas o mais recompensador. Pelo menos é o que eu quero acreditar.

Esse é caminho que você escolhe de forma consciente, com intenção, sabendo equilibrar o que você sabe com o que você gosta de fazer. Você junta suas paixões, suas habilidades e seus talentos em uma atividade profissional.

Como diz a Rafa Cappai, aqui é o lugar quentinho e confortável onde tudo é perfeito pra você.

Aqui tem uma pegadinha: você é total e completamente responsável por suas escolhas,pela decisão de fazer isso que você ama, pelos resultados, bons ou ruins, por traçar esse caminho.

Aqui ninguém vai te dizer o que fazer, como fazer ou quando fazer, você via ter que tomar as decisões sozinho e, por mais que outras tenham feito o que você quer fazer e você tenha referências, não há um caminhozinho a seguir que no final você vai ter sucesso.

Você, e só você, vai descobrir e traçar esse caminho e ninguém mais vai tomar essas decisões por você.

Acho que é por isso que muita gente prefere seguir a boiada, fazer o que tá todo mundo fazendo ou seguir os conselhos dos pais. A responsabilidade é de outra pessoa, mesmo que seja da sociedade.

Há um caminho a ser seguido, porque muita gente segue por ele, então você só precisa entrar na fila.

Criar o seu próprio caminho é criar sua própria vida, do jeito que você quer, definindo as suas próprias metas, seus próprios sonhos, seus limites, onde você quer chegar, que estilo de vida você quer ter, quanto e como você quer ganhar.

Você não precisa seguir os caminhos dos outros, nem ter as mesmas metas e objetivos dos outros. Não, você não precisa trabalhar 20 horas por dia pra ser milionário ou muito rico.

Esse é o caminho de outras pessoas, que parece tão bom que virou o objetivo de todo mundo.

Crie seu próprio caminho. Crie sua própria vida!